Últimas Notícias

Caça ilegal de botos para servir de isca em pesca preocupa autoridades do Amazonas

Os pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amaz√īnia (Inpa) detectaram redu√ß√£o da popula√ß√£o de botos-vermelhos, conhecidos popularmente como botos cor-de-rosa. O √≠ndice chega a 10%, por ano, em √°reas espec√≠ficas da Reserva de Desenvolvimento Sustent√°vel de Mamirau√°. A diminui√ß√£o dos n√ļmero de animais foi encontrada na √°rea de atua√ß√£o do Inpa dentro da reserva, que corresponde a 12% de local que tem 1,1 milh√£o de hectares. A informa√ß√£o consta no Dossi√™ Vermelho, um documento produzido pela Associa√ß√£o Amigos do Peixe-Boi (Ampa) ao qual a reportagem do Portal Amaz√īnia teve acesso com exclusividade.

Segundo o diretor-executivo da Ampa, Jones C√©sar, o lugar √© monitorado h√° 19 anos pelo Inpa, √≥rg√£o parceiro da associa√ß√£o. A queda no n√ļmero de animais ocorreu pela primeira vez em 2006, apontada pela pesquisadora Vera da Silva, no Subcomit√™ de Pequenos Cet√°ceos da Comiss√£o Internacional da Baleia (CIB).

A matan√ßa do mam√≠fero ocorre principalmente porque a carne √© utilizada na pesca do peixe piracatinga, tamb√©m conhecido por douradinha. O peixe √© apreciado na culin√°ria colombiana e sua aceita√ß√£o cresceu no mercado brasileiro. O piracatinga √© chamado, ainda, de urubu-d’√°gua. O peixe alimenta-se de carne putrefata de outros animais. A ca√ßa de botos √© terminantemente ilegal.

De acordo com o Dossi√™ Vermelho, a produ√ß√£o do pescado de piracatinga √© enviado para venda, sem fiscaliza√ß√£o, atrav√©s do porto de Tabatinga (a 1.108 quil√īmetros de dist√Ęncia de Manaus). Os frigor√≠ficos de Fonte Boa (676 quil√īmetros) s√£o um dos principais pontos de comercializa√ß√£o do peixe, segundo Jones C√©sar.

Ainda de acordo com o documento, a extens√£o geogr√°fica da cadeia de comercializa√ß√£o da piracatinga abrange os rios Madeira, Purus, m√©dio Solim√Ķes, Japur√° e a regi√£o da tr√≠plice fronteira Brasil-Peru-Col√īmbia. Contudo, um levantamento mais atualizado e detalhado pode revelar um aumento desta √°rea devido a aparente expans√£o da pesca.

Os botos s√£o populares no universo m√≠tico do caboclo amazonense, sendo protagonista de lendas amaz√īnicas. O mam√≠fero tamb√©m √© famoso pelo comportamento d√≥cil. O especialista em mam√≠feros aqu√°ticos do Inpa, pesquisador Fernando Rosas, disse que existem relatos de salvamento de n√°ufragos por botos nos rios da Amaz√īnia.

Fim da pesca
Na opini√£o do diretor-executivo da Ampa, o primeiro passo para proteger o boto-vermelho √© proibir a pesca do peixe piracatinga no Brasil. A Ampa tamb√©m recomenda campanhas educativas, fiscaliza√ß√£o e pesquisa, com colabora√ß√£o e estabelecimento de parcerias com institui√ß√Ķes governamentais e do terceiro setor.

A l√≠der do grupo de pesquisas de mam√≠feros aqu√°ticos amaz√īnicos da RDS Mamirau√°, Miriam Marmontel, contou √† reportagem do Portal Amaz√īnia que a reserva possui v√°rias frentes de pesquisa no habitat dos botos e em locais de comercializa√ß√£o do peixe. A pesquisadora disse acreditar que a redu√ß√£o na popula√ß√£o de botos-vermelhos n√£o est√° diretamente ligada √† pesca do piracatinga. A pesquisadora tamb√©m argumenta que a √°rea em que o grupo do Inpa trabalha √© pequena em rela√ß√£o a toda extens√£o da reserva e da Amaz√īnia. ‚Äú√Č um local muito pequeno. Uma √°rea m√≠nima da reserva‚ÄĚ.

Ribeirinhos
O pesquisador e estudioso de jacar√©s, Robinson Botero, que trabalha no desenvolvimento de pesquisas dentro da reserva disse que do ponto de vista cient√≠fico √© complicado associar a redu√ß√£o de botos √† pesca do piracatinga. O pesquisador argumentou que a atividade √© mais praticada durante o per√≠odo de seca dos rios e defeso de esp√©cies mais rent√°veis comercialmente. ‚ÄúO ribeirinho apela para venda da piracatinga para gerar uma alternativa de renda‚ÄĚ.

O Inpa monitora, entre capturas e recapturas, cerca de mil botos-vermelhos em Mamirau√°. A pr√≥pria Ampa admitiu que a situa√ß√£o no per√≠metro n√£o reflete a realidade do mam√≠fero em toda a Amaz√īnia brasileira. Mas alerta que ainda assim a situa√ß√£o √© preocupante j√° que a Amaz√īnia √© um ecossistema complexo e todas as esp√©cies da fauna e da flora est√£o interligadas.

A import√Ęncia ecol√≥gica do boto √© manter saud√°veis as popula√ß√Ķes de peixes, pois ele come membros menos √°geis de cardumes. Outra caracter√≠stica importante deste mam√≠fero √© que ele n√£o compete com os peixes, uma vez que se alimenta deles e contribui para sele√ß√£o natural dos mais fortes.

A reserva Mamirau√° est√° localizada a cerca de 600 quil√īmetros a oeste de Manaus, na regi√£o do curso m√©dio do rio Solim√Ķes. Sua √°rea de abrang√™ncia passa pelos munic√≠pios de Uarini, Fonte Boa e Mara√£. Outras cidades amazonenses est√£o na √°rea de influ√™ncia da reserva s√£o Juta√≠, Alvar√£es e Tef√© – esta √ļltima √© o maior centro urbano pr√≥ximo √† reserva.

Fiscalização

Os órgãos de fiscalização ambiental responsáveis pelo monitoramento da fauna e da flora na região são Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam). O Ibama atua em todo o território nacional, mas sua competência é específica a reservas federais Рo que não o impede de trabalhar em reservas estaduais, como a Mamirauá.

No Amazonas, o ICMBio monitoramento duas √°reas. A primeira, localizada no sul do Estado, compreende as cidades de L√°brea, Boca do Acre e Humait√°. A segunda, abrange os munic√≠pios de Carauari, Tef√©, Manicor√©, Tapau√°, Itacoatiara, Balbina, Novo Air√£o e S√£o Gabriel da Cachoeira. De acordo com o coordenador-regional-substituto do ICMBio, S√©rgio S√°, h√° tr√™s anos aconteceu a √ļltima apreens√£o envolvendo pesca ilegal de boto, na cidade de Manicor√©, uma das √°reas protegidas pelo √≥rg√£o.

Por meio de nota, o superintendente do Ibama no Amazonas, M√°rio L√ļcio Reis, respondeu que a pr√°tica de matar botos – para usar como isca ou n√£o – √© criminosa e “deve ser coibida com rigor”. O superintendente afirmou que n√£o existe autoriza√ß√£o para abate de botos. Ele tamb√©m garantiu que o √≥rg√£o monitora a ca√ßa de botos h√° alguns anos e que houve diversas opera√ß√Ķes de fiscaliza√ß√£o e investiga√ß√£o neste per√≠odo. A regi√£o com maior incid√™ncia de pesca de botos √© no m√©dio rio Solim√Ķes (Tef√©, Fonte Boa, Juta√≠, Uarini, Mara√£, Alvar√£es, Coari, Codaj√°s), conforme dados do Ibama. As duas esp√©cies de botos – tucuxi e vermelho – s√£o capturadas, mas pescadores preferem o boto vermelho.

O Ipaam comunicou que h√° um programa especifico de fiscaliza√ß√£o para combate √† ca√ßa de botos. Com rela√ß√£o a dados sobre a ca√ßa de botos, a assessoria de imprensa do Ipaam informou que recebe poucas den√ļncias sobre o assunto, considerando que o √≥rg√£o s√≥ assumiu a fiscaliza√ß√£o da fauna da reserva Mamirau√° em fevereiro deste ano. Anteriormente era compet√™ncia da Uni√£o.

http://www.portalamazonia.com


Estimulamos o debate suadável. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Pesca Amadora. Mensagens consideradas ofensivas serão excluidas automaticamente. Dúvidas e perguntas acesse a página de contato