Últimas Notícias

Conselho avalia ampliação da piracema no MT

pescador artesanal lancando rede de pescaO período de defeso dos peixes, também chamado de piracema, termina neste sábado (28), em Mato Grosso. A data de encerramento segue resoluções do Conselho Estadual de Pesca (Cepesca), que se reúne nesta quinta-feira para discutir a notificação feita pelo Ministério Público do Estado (MPE) recomendando à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) a ampliação da proibição da pesca de quatro para seis meses em todas as bacias hidrográficas do Estado.

Além de estudos feitos pelo próprio órgão ambiental estadual, a recomendação feita pelo promotor de Justiça Gerson Barbosa tem como base um relatório elaborado pelo professor, biólogo e doutor em Ecologia/Ectiologia, Francisco de Arruda Machado.

No relatório, Machado aponta que estudos feitos pela Sema em parceira com a Unemat de Cáceres, entre os anos de 2008 e 2012, na bacia do Alto Paraguai, por um período de seis meses, mostrou que a reprodução dos peixes tem início em outubro para indivíduos de algumas espécies e, tendo outros, reproduzindo em fevereiro, com pico em janeiro.

“Assim sendo, o ano poderia ser dividido em duas partes, seis meses de piracema, que iria de outubro a março, já que alguns retardatários poderiam estar também reproduzindo neste último mês e, seis meses em que se poderia pescar, de abril a setembro”, sugere. Na bacia Amazônica a situação é semelhante.

redes de pescaO relatório sobre o monitoramento reprodutivo feito na bacia do Alto Paraguai afirma ainda que nos ciclos avaliados o movimento da piracema (reprodução) iniciou-se antes do mês de outubro. “Espécimes em maturação são observados no mês de setembro e com alta frequência no mês de outubro, indicando que ocorre atividade reprodutiva fora do período legalmente instituído”, frisa. Atualmente, a proibição da pesca vai de novembro a fevereiro.

O entendimento do MPE é de que uma lei de pesca adequada ajudará a manter o alto grau de sustentabilidade do sistema pesqueira no Estado. Deste modo, permitindo que muitos peixes continuem a existir nas bacias hidrográficas do Estado. “É latente e perceptível que vem ocorrendo a diminuição do estoque pesqueiro tanto por conta dessa questão biológica como pela fiscalização falha e pesca predatória feita com redes e tarrafas”, comentou o promotor.

O biólogo Machado aponta outro fator decisivo. Segundo ele, uma fêmea, dependendo da espécie, chega a desovar até 50 mil indivíduos. Porém, somente 0,013% chegam a fase adulta.

pesca com rede em balbina amA expectativa de Gerson Barbosa é de que o Cepesca leve em consideração os estudos existentes. “Acredito que a decisão será técnica e não política, conforme tem prometido o novo governo”, disse se posicionando contra a modalidade pesque e solte. “Pesque e solte, bondade que só traz sofrimento e morte”, acrescentou Barbosa se referindo a um artigo de autoria do professor Machado.

Coordenadora do setor de Fauna e Recursos Pesqueiros da Sema, Edilaine Theodoro reforçou que a recomendação do MPE será submetida ao Conselho Estadual de Pesca. “O Cepesca é que vai analisar e deliberar sobre a viabilidade ambiental, social e econômica da proposta”, disse.

Segundo Theodoro, monitoramentos que vêm sendo feitos pela Sema, desde 1995, mostram que a maioria das espécies se reproduz no período legalmente instituído para proibição da pesca.


Estimulamos o debate suadável. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Pesca Amadora. Mensagens consideradas ofensivas serão excluidas automaticamente. Dúvidas e perguntas acesse a página de contato