Últimas Notícias

Ibama recolhe 12 redes de pesca e 3 tartarugas mortas na Foz do Rio Itapemirim-ES

Ibama recolhe 12 redes de pesca e 3 tartarugas mortas na Foz do Rio Itapemirim-ESAgentes do Ibama, Polícia Ambiental e a Secretaria de Meio Ambiente de Marataízes (ES), realizaram uma ação na manhã desta quarta-feira (10), que teve como objetivo recolher redes de pesca que estavam a menos de mil metros da foz do rio Itapemirim. Mais de mil metros de redes foram recolhidas durante a operação. Quatro tartarugas marinhas foram encontradas nas redes, sendo que três estavam mortas.

De acordo com o agente ambiental do Ibama, Guilherme Gomes de Souza, a ação visa a preservação das espécies marítimas. “Vejo que a maior importância da ação não é prejudicar o pescador, A ou B. Pelo contrário, estamos trabalhando para que o pescador encontre no futuro as espécies vivas, para que possa continuar sustentar suas famílias e garantir que as futuras gerações possam viver desse recurso pesqueiro”, explica.

Ibama recolhe 12 redes de pesca e 3 tartarugas mortas na Foz do Rio Itapemirim-ES 2Quando a embarcação se preparava para percorrer a região, foram encontradas quatro tartarugas marinhas presas em redes, sendo três mortas e uma viva. “Na saída, para embarcar, pegamos algumas redes que tinham tartarugas mortas e uma viva, que foi solta. A solicitação da ação partiu da Secretaria de Meio Ambiente, que já tinha realizado outra anteriormente”, continua o agente.

No total foram recolhidas 12 redes que somadas ultrapassaram 1.000 metros de extensão. Guilherme ressaltou que a os pescadores continuam descumprindo a proibição. “Constatamos que segue sendo descumprida a proibição de rede na foz do rio Itapemirim. Muitas espécies utilizam essa entrada do rio para se reproduzir, uma delas é o robalo. E essas redes impedem a passagem desse peixe. Esse local está proibido por ser uma área vulnerável. As redes são colocadas dolosamente, premeditadamente, justamente porque o peixe não tem como se defender”, comenta.

Para completar, o agente do Ibama ressaltou que crime ambiental está sujeito a multa. “Se for flagrado o pescador ou identificado o dono da rede, ele será multado com base na Lei de Crimes Ambientes e do Decreto Federal. Essa legislação estabelece em um único ato três sansões: a administrativa, a penal e a civil. A multa vai de acordo com a quantidade de rede e de peixes, podendo variar de R$ 700,00 mais R$ 10,00 por quilo do produto”, completa.

Kalua Barco Hotel


Estimulamos o debate suadável. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Pesca Amadora. Mensagens consideradas ofensivas serão excluidas automaticamente. Dúvidas e perguntas acesse a página de contato