Últimas Notícias

Tragédia no Rio Doce: Maior desastre ambiental do país completa um ano

tragedia-no-rio-doce-maior-desastre-ambiental-no-brasil-completa-um-anoConsiderado o maior acidente ambiental do País, o rompimento da barragem de rejeitos da Samarco completa hoje um ano com uma incógnita: ainda não se sabe exatamente qual foi a extensão do dano ambiental nem tampouco quanto tempo será necessário para haver uma recuperação total.

O acidente, que repercutiu durante semanas na m√≠dia brasileira e internacional, chega 12 meses depois condenado tamb√©m pela Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas (ONU). A entidade considera que as a√ß√Ķes tomadas at√© agora pelas empresas envolvidas, pelo governo e pela Justi√ßa s√£o insuficientes face ao tamanho da trag√©dia. A Organiza√ß√£o aponta que diversos danos n√£o foram sanados, como o acesso seguro √† √°gua para consumo humano, a polui√ß√£o dos rios e o destino incerto de comunidades for√ßadas a deixar suas casas. SECOM-ES Cientistas se mobilizam para recuperar √°reas atingidas por lama da barragem de Mariana

mpf-quer-que-samarco-pague-fiscalizacao-contra-pesca-na-bacia-do-rio-doce“Ap√≥s um ano, muitos dos 6 milh√Ķes de pessoas afetadas continuam sofrendo”, alertam os peritos da ONU. “Acreditamos que seus direitos humanos n√£o estejam sendo protegidos em v√°rios sentidos, incluindo os impactos nas comunidades ind√≠genas e tradicionais, problemas de sa√ļde nas comunidades ribeirinhas, o risco de subsequentes contamina√ß√Ķes dos cursos de √°gua ainda n√£o recuperados, o avan√ßo lento dos reassentamentos e da remedia√ß√£o legal para toda a popula√ß√£o deslocada, e relatos de que defensores dos direitos humanos estejam sendo perseguidos por a√ß√£o penal.”

Apesar de esforços de órgãos como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Ibama e de universidades e pesquisadores independentes de iniciar coletas e análises, logo depois que a lama varreu Bento Rodrigues e atingiu o Rio Doce rumo ao mar e nos meses seguintes, alguns trabalhos foram interrompidos em abril por falta de verba e só estão sendo retomados agora.

Ministerio publico proibe pesca na Foz do Rio Doce no ES 3√Č o caso do impacto no litoral, onde a lama desaguou a partir da foz do Rio Doce. Roberto Sforza, t√©cnico do ICMBio e chefe da √Ārea de Prote√ß√£o Ambiental Costa das Algas, uma das unidades de conserva√ß√£o no Esp√≠rito Santo que foi atingida pela lama, explica que duas expedi√ß√Ķes oceanogr√°ficas foram feitas, em janeiro e abril, para a coleta de amostras de √°gua, sedimentos, micro-organismos e recursos pesqueiros para identificar poss√≠veis contamina√ß√Ķes. Foi dessas primeiras an√°lises que surgiu o alerta de que peixes e crust√°ceos estavam contaminados, o que levou √† suspens√£o da pesca. Mas depois de abril n√£o foi poss√≠vel concluir nem a an√°lise de material coletado.

¬†¬†‚ÄúAs expedi√ß√Ķes ocorreram com recursos nossos, remanejados de outros projetos, e de universidades como a Federal do Esp√≠rito Santo, mas quando nosso dinheiro acabou, tivemos de parar‚ÄĚ, disse. Ele explicou que somente agora, com o termo de ajustamento de conduta com dinheiro repassado da Samarco para isso, √© que deve ser iniciado um monitoramento pelos pr√≥ximos cinco anos.

‚ÄúA verdade √© que hoje n√£o temos como dimensionar o dano nem caracteriz√°-lo. O que sabemos √© que os rejeitos que chegaram ao mar se espalharam por toda a plataforma do litoral do Esp√≠rito Santo. E, dependendo de ventos, frente fria, correntes marinhas, chegaram a Abrolhos e ao litoral norte do Estado do Rio. Mas que efeitos causaram n√£o √© sabido nem quanto tempo vai levar para recuperar.‚ÄĚ

Mesmo para o caixa da mineradora, o acidente teve impactos consider√°veis. O Ibama j√° aplicou R$ 250 milh√Ķes em multas √† empresa, enquanto a Justi√ßa de Minas bloqueou R$ 300 milh√Ķes como garantia para pagamento de indeniza√ß√Ķes. H√° no mercado, por√©m, quem garanta que a empresa pode perder bilh√Ķes nos tribunais caso seja condenada.

A Samarco, que t√™m como s√≥cias a Vale e a australiana BHP Billiton ‚ÄĒ constituiu uma funda√ß√£o, a Renova, encarregada de todas as a√ß√Ķes de repara√ß√£o. Uma nova Bento Rodrigues vai ser constru√≠da em Lavoura, a 10 quil√īmetros de Mariana, local escolhido pelos habitantes do distrito. A estimativa √© que o novo distrito estar√° conclu√≠do em 2019, com trabalhos sendo executados 24 horas por dia, sete dias por semana. A √°rea de 89 hectares est√° sendo negociada com a propriet√°ria, a ArcelorMittal. Segundo a Renova, 8 mil fam√≠lias ribeirinhas ao Rio Doce est√£o recebendo fundos de emerg√™ncia, j√° que muitas dependiam da pesca ou turismo para o sustento.

Pelas contas da fundação, 236 famílias tiveram que sair de Bento Rodrigues e outras 108 foram remanejadas para a vizinha Paracatu, próximo ao distrito, e que também sofreu os impactos da inundação. O desastre deixou ainda 19 mortos que foram soterrados pela lama.


Estimulamos o debate suadável. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Pesca Amadora. Mensagens consideradas ofensivas serão excluidas automaticamente. Dúvidas e perguntas acesse a página de contato