Últimas Notícias

Decoada começa no rio Paraguai causando morte de peixes no Pantanal

Comum nesta época do ano por causa da cheia do Rio Paraguai e considerada fenômeno natural pelos pesquisadores, a decoada tem causado a morte de peixes no Pantanal pela falta de oxigênio e deixando a água com uma cor mais escura na região da Serra do Amolar.

“Normalmente, a decoada acontece no fim do mês de março com a primeira chegada das águas. Com a cheia, as águas invadem o campo e decompõem a matéria orgânica das margens, no caso, as plantas”, diz o presidente do Ecoa, André Luiz Siqueira.

As bactérias responsáveis por essa deterioração, segundo ele, consomem o oxigênio e causam a morte dos peixes. Todas as espécies, segundo ele, sofrem com o processo. Alguns ainda tentam escapar.

“No Rio Paraguai há grandes bahias que recebem água limpa de outros rios que existem por perto, e alguns peixes tentam ir para esses locais para escapar do fenômeno. Esses peixes são os conhecidos peixes tontos, porque ficam debilitados com o fenômeno”, pontua.

A decoada está diretamente relacionada ao regime de cheia e seca dos rios da planície pantaneira. Quando as águas recuam, a vegetação aquática morre e a terrestre, em especial gramíneas, se recompõe de forma rápida.

Durante a enchente subsequente, segundo Débora Calheiros, pesquisadora da Embrapa Pantanal, a água passa a cobrir a planície pantaneira deixando esta vegetação submersa. Toda essa matéria orgânica em contato com a água começa a se decompor e, conforme o nível de inundação aumenta, os produtos da decomposição são levados do campo inundado para os lagos (baías), córregos e rios.

Esse processo de decomposição realizado pelas bactérias é tão intenso que é capaz de consumir todo o oxigênio dissolvido na água, liberando o dióxido de carbono livre. O fenômeno dificulta a respiração dos peixes, que sobem à superfície para tentar absorver o oxigênio da interface ar-água (“boquear”) e ficam mais expostos aos predadores ou acabam morrendo se não acharem uma área com água em melhores condições.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Pantanal, o fenômeno pode matar toneladas de peixes. Em 2013, a Embrapa Pantanal lançou uma cartilha explicativa sobre o fenômeno da Decoada.

Apesar disso, Débora explica que a decoada tem um papel ecologicamente importante para o funcionamento do Pantanal. Faz parte do ciclo de renovação da planície relacionado ao ciclo das águas e garante a entrada de nutrientes no sistema. Normalmente a decoada acontece no período de enchente, entre fevereiro e maio. Nesta época as altas temperaturas (média de 32 graus) no Pantanal aceleram o processo de decomposição.

Quando uma frente fria se aproxima, as temperaturas caem por alguns dias e o processo de decomposição desacelera, melhorando a qualidade da água.  Em 1995, o rio Paraguai chegou a ficar dois meses praticamente sem oxigênio em função da decoada.

É difícil prever exatamente onde a decoada vai ocorrer, mas Débora afirma que o fenômeno tende a acontecer a partir do Parque Nacional, na divisa com o Mato Grosso, na região conhecida como Três Bocas. Normalmente atinge as áreas marginais, campos inundados e baías, em caso de cheias mais localizadas, mas pode atingir o canal principal dos rios, se a inundação for intensa.

Kalua Barco Hotel


Estimulamos o debate suadável. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Pesca Amadora. Mensagens consideradas ofensivas serão excluidas automaticamente. Dúvidas e perguntas acesse a página de contato