Últimas Notícias

PMA apreende redes e autua infratores durante fiscalização em MS

Durante fiscaliza√ß√£o preventiva no rio Ba√≠a, Policiais Militares Ambientais de Bataypor√£ (MS), desmontaram nessa quinta-feira (7), um acampamento ilegal para a pesca, no munic√≠pio de Nova Andradina (MS). No local, um pescador (40), havia degradado as matas ciliares do rio (√°rea protegida), para instalar o acampamento. Com ele, foram apreendidos os petrechos de pesca e ordenado que o pescador recolhesse todo o lixo no local, removesse o acampamento e apresentasse um Plano de Recupera√ß√£o da √Ārea Degradada e Alterada (PRADA) das matas ciliares derrubadas.

O infrator, residente em Nova Andradina (MS), responderá por crime ambiental e poderá pegar pena de um a três anos de detenção. A PMA também o autuou administrativamente e o multou em R$ 5.000,00.

Já nessa sexta-feira (8), durante trabalhos de fiscalização no rio Miranda no município, Policiais Militares Ambientais de Jardim (MS), autuaram um turista por pesca predatória. O infrator, um empresário de 39 anos, residente em Fernandóplis (SP) pescava em um local denominado Corredeira do Moom.

As corredeiras e cachoeiras s√£o locais interditados para a pesca, em 200 metros a montante e a jusante. √Č crime a pesca nesses locais. Foi apreendido um molinete com vara. O infrator foi autuado administrativamente e multado em R$ 700,00.

Também na madrugada dessa sexta-feira (8), equipes da Polícia Militar Ambiental de Batayporã (MS) retiraram oito redes de pesca, medindo 900 metros nos rios Paraná, Baía e Ivinhema, bem como em lagoas marginais a esses rios. Além das redes, foram retirados 47 anzóis de galho. 30 kg de pescado que estavam presos às redes e aos anzóis ainda vivos foram soltos nos rios.

Os petrechos proibidos estavam instalados nos rios e lagoas marginais e os infratores proprietários do material não foram localizados e nem identificados. Normalmente os pescadores deixam os petrechos ilegais escondidos e, durante a madrugada, quando não percebem fiscalização, armam e os conferem, retirando os peixes capturados. Isso torna difícil a prisão dos infratores, haja vista o curto espaço de tempo que permanecem no rio.

A ação da Policia Ambiental faz parte da operação Independência que continua até domingo (10). A manutenção da fiscalização e retirada desses petrechos precisam ser constantes, tendo em vista, a grande capacidade de devastação, ocasionando a morte dos peixes, devido ao grande poder de captura desses tipos de petrechos ilegais. A retirada desta quantidade de redes, espinheis e anzóis dos rios impede a degradação dos cardumes.


Estimulamos o debate suadável. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Pesca Amadora. Mensagens consideradas ofensivas serão excluidas automaticamente. Dúvidas e perguntas acesse a página de contato