Últimas Notícias

1/3 de tudo que se pesca acaba no lixo antes de chegar ao consumidor segundo a ONU

O mundo não está apenas pescando muito acima do que nossos mares podem suportar, mas também, uma porcentagem muito alta de toda a sobrepesca é descartada antes mesmo de chegar a mesa. 27% de todos os peixes capturados no mundo acabam se perdendo ou desperdiçados do desembarque até o consumidor.

Isso é resultado do excesso de sujeira, sistemas de refrigeração deficientes ou falta de instalações adequadas. O número aumenta para 35% quando se leva em conta as devoluções que são feitas antes de chegar aos portos, ou seja, mais de um terço dos peixes que são capturados no mundo acabam no lixo de acordo com o último relatório sobre O Estado da Pesca e Aquicultura Mundiais publicado pela ONU.

“Em todo o mundo, as perdas de peixes pós-pesca são de grande preocupação e ocorrem na maioria das cadeias de distribuição de peixes”, diz a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que adverte especialmente as economias menos desenvolvidas sobre a “falta de infra-estruturas e serviços adequados para garantir a qualidade do peixe”.

Os dados são ainda mais alarmantes, considerando a grave situação de sobrepesca em que os oceanos são encontrados. 33,1% das principais espécies comerciais de peixes monitoradas pela FAO são pescadas em níveis biologicamente insustentáveis, o que significa que a taxa e quantidade de capturas é maior do que o tempo que os peixes precisam para recuperar suas populações. E a situação está piorando, porque há 40 anos a proporção de pesca insustentável mal chegava a 10%.

Com o aumento da população mundial, a quantidade de peixes que comemos também aumenta. Enquanto em 1961 o mundo consumia 9 kg de peixe por pessoa por ano, em 2015 esse número mais do que duplicou, chegou a 20,2 kg. Estima-se que em 2017 o consumo per capita já fosse de 20,5 kg.

“Parece improvável que a pesca global possa restaurar em um futuro próximo 33,1% das populações atualmente superexploradas, porque a restauração leva tempo. Geralmente, duas a três vezes o ciclo de vida da espécie “, adverte a organização, que defende o estabelecimento de parcerias efetivas entre os países para mobilizar recursos financeiros e humanos e a implantação de tecnologias avançadas, como monitoramento de pesca.

O Mediterrâneo é o mais explorado
O documento também destaca o Mar Mediterrâneo como o mais explorado do planeta, com 62,2% de seus estoques pesqueiros sendo sobre-pescados. A Comissão Europeia, no entanto, calcula a sobrepesca no Mediterrâneo em 93%.

Entre as espécies em risco citadas pela FAO estão a pescada, salmonete, pregado, linguado, atum, anchova e a sardinha. Além disso, a organização menciona outras ameaças à pesca no Mediterrâneo onde a Espanha é atrás da Itália, o país com mais interesses pesqueiros  como a mudança climática ou a pesca ilegal.

“Ninguém quer um mar tão próximo de muitos de nós para deixar de fornecer comida e emprego para aqueles que dependem dele. É um escândalo que deve desencadear ações políticas imediatas “, disse Lasse Gustavsson, diretor da Oceana Europe. “O Mediterrâneo precisa restringir a pesca de arrasto de fundo, preservar áreas de reprodução e habitats sensíveis e estabelecer limites anuais de captura de acordo com as recomendações científicas”, acrescentou.


Estimulamos o debate amistoso. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Pesca Amadora. Mensagens consideradas ofensivas serão excluidas automaticamente. Dúvidas e perguntas acesse a página de contato